PT  EN
uma visão geral | Doutoramento em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável

uma visão geral

F

uma visão geral

 

O currículo deste curso foi cuidadosamente projetado em 2009 para que este programa pudesse atingir todas as metas iniciais propostas e ser suficientemente flexível para os alunos moldarem os seus percursos de aprendizagem e de pesquisa. Posteriormente, melhorias foram feitas na sequência da avaliação dos alunos e discussão pela Comissão Científica, juntamente com comentários de conselho consultivo externo.

A estrutura curricular atual é composta por 2 semestres, no primeiro ano do programa.

Cada semestre corresponde a 30 European Credit Transfer and accumulation System (ECTS) e um ano a 60 ECTS . Um (1) ECTS corresponde a 28 horas de trabalho do aluno. Assim, um ano de trabalho (60 unidades de crédito) corresponde a 1680 horas de trabalho. Geralmente, cada semestre é composto por quatro disciplinas obrigatórias curriculares, mais um seminário e uma disciplina opcional, com 4, 5 e 6 ECTS, respetivamente.

O programa de Doutorado totaliza 180 a 240 créditos, distribuídos por 6 a 8 semestres: 60 ECTS através de cursos avançados nos dois primeiros semestres, e 120 a 180 ETCS , por meio de investigação que conduzam a uma tese de doutorado , ao longo dos seguintes 4-6 semestres.

Cursos e seminários obrigatórios:

Primeiro semestre: 1 – Ciências das Alterações Climáticas, 2 – Economia, regulação e mercados, 3 – Sociologia do meio ambiente e comunicação, 4 – Sistemas terrestres e oceânicos, 5 – Seminário sobre ciência da sustentabilidade e alterações climáticas.

Segundo semestre: 1 – Adaptação e mitigação as Alterações climáticas 2 – Alterações climáticas e Ordenamento do Território, 3 – Ética , políticas públicas e desenvolvimento sustentável, 4 – Teorias e Praticas de Desenvolvimento Sustentável, 5 – Seminário sobre energia e alterações climáticas .

Ambos os Seminários são projetados para permitir que os alunos usem os seus conhecimentos em todas as outras disciplinas obrigatórias e opcionais e promovendo via debate aprofundado os temas que são de interesse dos alunos e onde eles podem expressar seu ponto de vista, aspetos e posições das várias questões que vão sendo analisadas. Isso incentiva os alunos a desenvolver a independência disciplinar e várias habilidades requeridas (apresentação oral, apresentação de relatórios, elaboração de artigos científicos, organização, habilidade para defender seu ponto de vista e sua posição (em um determinado assunto e integrar diferentes pontos de vista e posições).

Algumas disciplinas incluem a auto-avaliação (com uma justificação) incentivar os alunos a adotar uma prática de auto-avaliação contínua saudável em suas atividades futuras.

Ambos os semestres incluem pelo menos uma disciplina opcional para acomodar interesses específicos e necessidades individuais de cada aluno. O Programa estabeleceu um conjunto de ligações com outros programas de doutoramento, beneficiando-se das disciplinas optativas em áreas específicas, permitindo a cada aluno a buscar seus interesses especiais, como o MIT – Portugal (por exemplo, no curso de Energia Sustentável e Economia); Paisagem, Biodiversidade e Sociedade (por exemplo, curso de Avaliação Econômica do Meio Ambiente, no ISA -UTL); Engenharia Ambiental (por exemplo, curso de Sustentabilidade, Hidrologia, Sistemas de Saneamento, no IST- UTL); Sociologia (por exemplo, curso de Práticas em Transição, no ICS- ULisboa); Geografia e Ordenamento do Território (por exemplo, curso de Metodologias e problemáticas em Geografia e Ordenamento do Território, FCSH – UNL ) . No ano letivo de 2013/2014 Comité Científico criou o curso de “Métodos de Investigação e Conceção do Projeto” (na FCUL). Essa disciplina permite que os alunos possam planear a sua tese, incluindo o debate sobre questões científicas que podem definir uma tese, metodologias, análise de dados e formato e a estrutura da tese. A nova disciplina para o próximo ano letivo de 2014-2015 está sendo projetado também para este programa uma disciplina sobre o tema: Sistemas de Adaptação (na FCUL). Os cursos opcionais variam de ano para ano, de acordo com o corpo docente e os interesses dos estudantes (a maioria dos cursos exigem um número mínimo de alunos matriculados).

Depois de completar o ano curricular os alunos podem participar de outros cursos opcionais para apoiar o seu progresso acadêmico e de tese.